Governo Bolsonarodiz a aliados que vai liberar recursos e analisar indicações para cargos se aprovar a reforma da previdência

Spread the love

Governo diz a aliados que vai liberar recursos e analisar indicações para cargos
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, informaram a deputados aliados que o governo vai liberar recursos das emendas e analisar as indicações dos parlamentares para cargos nos estados, informa o repórter Nilson Klava, da GloboNews.

Bolsonaro e Onyx se reuniram nesta terça-feira (26) com líderes da base para discutir a articulação política do governo e as medidas necessárias para aprovar a reforma da Previdência Social.

Onyx disse que começará a se reunir com as bancadas estaduais e partidárias depois do carnaval para começar a analisar todas as demandas. Disse também que, além das emendas impositivas dos parlamentares reeleitos, irá conversar com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para encontrar meios para liberação de recursos para os novos parlamentares.

https://www.youtube.com/watch?v=FfFJl5tSrcc&t=4s

Na reunião com o PSL, na semana passada, o governo sinalizou que deve liberar entre R$ 2 milhões e R$ 3 milhões aos novos parlamentares, além de destinar outros R$ 2 milhões a cada um para conclusão de obras inacabadas nos estados.

“Foi uma sinalização boa, um início, mas ainda está engatinhando”, disse um líder que esteve presente à reunião desta terça-feira.

O presidente e o ministro também ouviram uma série de reclamações dos aliados. Deputados reclamaram da falta do diálogo do governo, falaram que alguns ministros estão criando dificuldades para receber parlamentares.

Durante a reunião, o presidente, mais uma vez, disse que errou ao ser contra a reforma da previdência em projetos anteriores e sinalizou que o governo está disposto a fazer concessões para aprovar as mudanças na aposentadoria. “A reforma vai ser a possível”, disse o presidente.

Um comentário em “Governo Bolsonarodiz a aliados que vai liberar recursos e analisar indicações para cargos se aprovar a reforma da previdência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *