Libertadores 2018 Final entre Boca e River será no Estadio do Real Madri.

Spread the love

A Libertadores de 2018 terá a Final entre Boca e River será no Estadio do Real Madri.

Quem Disse que o crime não compensa ? A Libertadores 2018 Terá sua Final entre Boca e River no Estadio do Real Madri. Para quem achava que poderia ter uma eliminação do River Plate pelos atos de indisciplina .

Se enganou como prêmio pela covardia que houve antes do jogo entre as duas equipes onde foi ocorrido uma verdadeira tentativa de Homicídio em relação ao que aconteceu anteriormente a partida ou seja.

 

Ou seja se você quebrar, quase matar seu adversário você terá como prêmio a possibilidade de jogar em Paris , Portugal, Inglaterra e Espanha esse é o Prêmio por fazer um jogo desleal, não cumprir as regras tudo com aval da Conmenbol e da Fifa .

A Copa Libertadores da América de 2018 será decidida pelos argentinos River Plate e Boca Juniors no dia 9 de dezembro, em Madri, no estádio Santiago Bernabéu, às 17h30 (de Brasília). A capital da Espanha ganhou um leilão que durou três dias, contra cidades tão diferentes quanto Doha (Catar) e Miami (Estados Unidos). A informação foi publicada primeiro pelo diário argentino “La Nación” e confirmada pelo GloboEsporte.com.

Para se ter ideia de como a disputa foi apertada, até o início da tarde desta quinta-feira a Conmebol tinha dois comunicados prontos para publicar em seu site: um com Madri como sede da partida, outro com Paris, que no último momento se viabilizou como opção.

Como o jogo de ida, disputado na Bombonera, estádio do Boca, terminou empatado em 2 a 2, a partida em Madri vai significar, na prática, uma decisão em campo neutro e jogo único.

É assim que a Libertadores vai ser decidida a partir de 2019, quando o rodízio de sedes da final começa por Santiago, no Chile.

A primeira partida só teve torcida do Boca, e o mesmo valeria para o River no Monumenal. Porém, agora a entrada de torcedores dos dois clubes será liberada no Santiago Bernabéu.

Nesta quinta-feira, o Boca Juniors anunciou que aceitará jogar a final. O clube havia apresentado um recurso ao Tribunal de Disciplina da Conmebol, no qual pedia os pontos do jogo não realizado contra o River – e, consequentemente, ser declarado campeão sem precisar jogar. Isso mudou.

Segurança e “cara” sul-americana.

 

A decisão tomada pela Conmebol nesta quinta-feira em Assunção,= foi motivada por segurança e por “latinidade”.

Madri é a capital europeia que mais recebe voos da América do Sul e também conta com uma grande presença de argentinos.

Doha, capital do país-sede da próxima Copa do Mundo, acabou descartada pela Conmebol, apesar dos milhões oferecidos pelo Catar.

https://www.youtube.com/watch?v=7b-cRGoPTvE&t=8s

Essa partida deveria ter sido disputada no último sábado, no estádio Monumental de Núñez, casa do River. Mas teve que ser primeiro adiada e depois suspensa por causa de atos de vandalismo e violência dos torcedores do próprio River.

+ Presidente do Boca diz que não aceita jogar até que Tribunal da Conmebol se manifeste sobre recurso do clube.

O ônibus que levava o Boca Junios até o Monumental foi atacado com pedras e paus.

Ao tentar intervir, a polícia de Buenos Aires atirou gás de pimenta na multidão, o que acabou por atingir também os jogadores e a comissão técnica do Boca.

Sem acordo sobre qual seria a melhor solução, a final da Libertadores foi parar na sede da Conmebol, no Paraguai.

+ O “espírito da Libertadores” não tem culpa: ele é o antídoto

Depois de uma disputa de bastidores que durou quatro dias, a situação começou a se resolver numa reunião na manhã de terça-feira, da qual participaram os presidentes da Conmebol, Alejandro Domínguez, do Boca Juniors, Daniel Angelici, do River, Rodolfo D’Onofrio, da AFA, Claudio Tapia, e da Federação Paraguaia, Robert Harrison.

+ Final da Libertadores: Conmebol abre um novo processo disciplinar contra o River Plate

Desse encontro, saiu uma resolução: por razões de segurança, o jogo não poderia ser disputado na Argentina. Como este cenário já estava se desenhando na véspera, a Conmebol recebeu várias ofertas de cidades interessadas em receber o jogo.

+ Bastidores da final: nem o presidente da Fifa escapou de ser hostilizado no Monumental

Ofertas chegaram de todos os lados, da Itália ao Brasil, passando pelos EUA e o Oriente Médio. No caso do Brasil, nem a CBF encampou as propostas de Mineirão, Arena Condá (Chapecó), Arena Pernambuco, Maracanã, da prefeitura de São Paulo e da Federação Gaúcha de Futebol.

A Conmebol também deixou vazar que não tinha interesse em organizar um superclássico argentino – e todo o pacote de potenciais problemas que o acompanha – numa cidade brasileira.

A oferta de Doha, no Catar, atraiu o interesse da Conmebol porque incluía o pagamento de todos os custos para a realização do jogo, além de reembolsar os torcedores do River Plate que haviam comprado ingresso para a partida em Buenos Aires, além de premiação para os dois finalistas.

No fim, a Conmebol descartou a ideia de jogar no Oriente Médio por causa da distância para Buenos Aires – mais de 20 horas de voo, com passagens que não custariam menos do que R$ 10 mil. A final será em Madri.

Primeiro-ministro da Espanha se pronuncia

 

Por meio das redes sociais, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, disse que o país está “disposto a organizar a final entre Boca Juniors e River Plate”. Ele ainda afirmou que a segurança da partida já está sendo planejada.

– A Espanha está pronta para organizar a final da Copa Libertadores entre Boca Juniors e River Plate. As FCSE (conjunto de forças de segurança espanholas) e os serviços envolvidos, com ampla experiência em dispositivos desse tipo, já trabalham na implantação necessária para garantir a segurança do evento – escreveu o primeiro-ministro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *